Como ouvir a sua Intuição

A intuição é um instinto. É uma capacidade natural que possuímos, enquanto seres humanos, para compreender ou perceber algo sem o raciocínio consciente.

Se está prestes a escutar verdadeiramente a sua intuição pela primeira vez, o momento pode ser assoberbante. Saber exatamente o que quer e como chegar lá é avassalador. 

Sentimentos de desconforto, medo e exaustão podem ser sinais poderosos de que precisamos olhar para dentro de nós para descobrir a verdade. E não é necessário esperar por um momento de crise para ouvir a intuição. 

Todos possuímos essa capacidade. Claro que, cada pessoa tem níveis variados de sensibilidade e consciência. A intuição é uma orientação energética subtil, um conhecimento interno tranquilo que nos guia. Quando estamos a experienciar a intuição, sentimos perfeitamente que o estamos a fazer.

A intuição é o conhecimento da nossa alma. Aprender a conectar-se e a confiar na nossa intuição pode ajudar-nos a viver uma vida alinhada com o nosso propósito de vida. Com tempo e prática, aprenderemos a reconhecer quando a nossa intuição está a comunicar connosco.

O que significa ouvir a sua intuição?

Ouvir a sua intuição significa mover-se através do ruído estático de pensamentos ansiosos, daquilo que pensa que deveria fazer devido à pressão social ou à opinião de outras pessoas. 

A intuição é o conhecimento da nossa alma, é o que realmente desejamos e o que melhor nos servirá. Podemos pensar nisso como entrar em contacto com o nosso eu superior ou com os nossos desejos mais profundos. Ouvir a nossa intuição e ser capaz de aceder a esta orientação facilmente pode ajudar-nos a viver uma vida mais livre.

Como ouvir a sua intuição

Como é a Intuição?

A intuição opera através das partes do nosso cérebro responsáveis pela criatividade, memória e reconhecimento de padrões. Como o nosso cérebro está neuralmente ligado ao nosso sistema digestivo (o nosso intestino), muitas pessoas experimentam uma “intuição” ao terem “borboletas no estômago”.

A intuição nem sempre é um sentimento. Quando estamos a experienciar a intuição, podemos não sentir “um sentimento” de todo. Muitas vezes, a intuição pode parecer quase desapegada, como se uma parte sábia de nós estivesse a operar em nosso nome.

A intuição é sempre experienciada no momento presente, enquanto a ansiedade (em contraste com a intuição) pode antecipar o futuro com desastre. A intuição parece calma e fundamentada e é experienciada como “um saber”.

Quando estamos a experienciar a intuição, esta parece subtil, calma e fundamentada. Isso contrasta com a sensação de preocupação ou ansiedade. A intuição não envolve o nosso sistema nervoso numa resposta de luta ou fuga da mesma forma que o medo e a ansiedade.

Como saber se estou a ouvir a minha intuição?

Como a intuição geralmente se apresenta como “um saber”, quando estamos a ouvir a nossa intuição, é menos provável que tenhamos dúvidas. Isso pode ser confuso, especialmente se estivermos nervosos ao tomar uma decisão, lutarmos contra a ansiedade ou tendemos a duvidar de nós mesmos.

Com a intuição, podemos não ter todas as respostas, especialmente os “comos” e “porquês” de uma situação. Podemos apenas saber “o que” desejamos. Pensar demais pode dificultar a intuição, pois esta é a nossa capacidade de compreender algo sem o raciocínio consciente. Se tendemos a analisar ou pensar demais nas situações, isso acaba por ser um desafio, pois podemos não ter evidências sobre as quais a nossa decisão intuitiva se baseia. E isso pode não ter sentido lógico para nós.

Como ouvir a sua intuição

No entanto, quando tomamos uma decisão com base na intuição, é menos provável que tenhamos dúvidas e nos sintamos inseguros sobre as nossas escolhas. Como a intuição vem de um lugar dentro de nós que está separado do nosso ego ou do que “sentimos que devemos fazer”, é provável que nos sintamos confiantes quando estamos a tomar uma decisão a partir de um lugar de conhecimento intuitivo.

A intuição é subtil, mas segura. Imagine a intuição como um leve empurrão. O que contrasta drasticamente de  tomar uma decisão com base nas opiniões de outras pessoas ou na ansiedade. Nesse caso, a tomada de decisão parece frenética e pressionada, levando-nos a questionar a nossa decisão. Os sentimentos intuitivos são mais subtis do que temerosos e urgentes. Pensamentos preocupantes, medos sobre consequências ou julgamentos, embora válidos, vêm do medo e não da intuição.

Como reconhecer e ouvir a sua intuição

  • Conheça a sua energia
    Conheça quem realmente é para além de qualquer um dos papéis com os quais se identifica. Descubra quem é a pessoa por trás dos papéis de mãe, parceira, esposa, amiga, profissional, etc. Quem é realmente quando está sozinha e sem a pressão de apresentar a sua energia a outra pessoa.
  • Compreenda como o seu corpo responde às emoções
    Muitas vezes, as pessoas dizem-me que a energia de outra pessoa as está a “drenar”. Embora esse sentimento possa ser reconhecido, é importante reconhecer a quota parte de culpa no processo. A outra pessoa só nos pode “roubar” a nossa energia, se a dermos.

     

    O ato de nos envolvermos com alguém pode ser desgastante. A irritação, a ansiedade, o ter que nos afirmar repetidamente podem consumir energia. Tentar resistir energeticamente a alguém que está a ultrapassar os seus limites é esgotante.

    Todavia, deve lembrar-se de permanecer presente e confiar em si para manter os limites. Se os seus limites forem firmes, pode simplesmente ignorar a preocupação e a ansiedade que sente quando estão a ser ameaçados, porque sabe que podemos confiar em si.

  • Estabeleça limites que a apoiem
    Os limites são difíceis, mas são uma parte essencial do cuidado de si mesmo. Dizer não sem pedir desculpa ou explicação, é dizer sim a si mesmo, à sua energia e a tudo o que espera criar.

    Estabeleça limites que lhe permitam viver plenamente no momento presente e que estejam o mais alinhados possível com a sua intuição. Isso pode ser difícil com as pessoas que amamos. Lembre-se de que pode sentir as emoções de outra pessoa e não é responsável por consertá-las.

    Como alguém que desenvolve a sua intuição, estabelecer limites tornar-se-á uma forma de praticar o amor-próprio. Como em qualquer prática, pode levar tempo a dominá-la e será contínua. Isso é difícil no início e nem todos irão respeitar ou entender os nossos limites. E está tudo bem. Não é nosso trabalho gerir as reações emocionais de outras pessoas e, uma vez que comece a estabelecer limites e a confiar na sua intuição para o fazer, desenvolverá confiança no processo.
  • Faça uma avaliação honesta de como os relacionamentos e as situações o afetam
    O objetivo final no desenvolvimento da intuição é o empoderamento. É expectável que se sinta confiante nas suas próprias escolhas e que entenda que ser altamente intuitivo não é uma sentença perpétua para “sentir as emoções dos outros”.

    Ao colocarmos as necessidades dos outros acima das nossas e ao tentarmos sentir-nos amados, validados ou a curar as feridas da infância e a reparar a nossa autoestima, tentamos curar pessoas indiferentes, egoístas ou mesmo abusivas e narcisistas nas nossas vidas.

    Quanto mais nos envolvemos, mais poder e controlo adquire o parceiro, amigo ou membro da família indiferente ou narcisista. Não precisamos aceitar que outras pessoas nos vão deixar esgotados. Se conseguirmos aprender a familiarizar-nos e a permanecer conectados à essência da nossa própria energia e a entender como as outras pessoas nos afetam emocional e energeticamente, podemos estabelecer limites que apoiem o nosso bem-estar e cultivar a paz interior.

Como ouvir a sua intuição
  • Comece a alinhar a sua vida com a sua intuição
    Quando se fala de alinhamento no sentido espiritual, na verdade fala-se em estar em sintonia com os nossos valores espirituais e com a verdadeira essência de quem somos. A nossa mente consciente e inconsciente, o nosso corpo físico, a nossa respiração precisam estar alinhados com a nossa verdade ou provavelmente sentiremos uma sensação de desconforto.

    Em algum momento, como adultos, a maioria de nós desenvolve um conjunto de valores, crenças e ideias que nos ajudam a viver em harmonia. Começamos a formar ideias sobre o que é certo e errado e como é viver uma vida boa.

    Por exemplo, a maioria das pessoas acredita que precisa trabalhar arduamente e fazer sacrifícios para ter sucesso. Este é um pensamento comum e bem-intencionado que a maioria de nós tem.

    Por meio do nosso condicionamento, nas nossas famílias e na sociedade, a maioria de nós tem esse pensamento reforçado ao longo da vida. Quando temos um pensamento recorrente, em algum momento ele torna-se uma crença. Quando chegamos à idade adulta, a maioria de nós está preparada para sofrer e trabalhar arduamente pelo que queremos.

    Embora possamos valorizar sentir-nos descansados e passar tempo com a nossa família e amigos, a nossa crença de que temos que trabalhar arduamente para ter sucesso moldará a maneira como nos comportamos e as escolhas que fazemos.

    Podemos, por exemplo, escolher um emprego com melhor remuneração e melhores benefícios, que exige que trabalhemos muitas horas e sacrifiquemos a nossa saúde, acreditando que estamos a fazer a escolha certa para a nossa família.

    No entanto, não podemos e não devemos alinhar-nos com uma meta monetária ou mesmo espiritual. O nosso propósito é descobrir quem somos e ser essa pessoa. Tudo o que fazemos realmente serve o Mundo Espiritual e o nosso propósito não é ser ou fazer uma coisa, mas sim descobrir quem somos e sentir a nossa própria vitalidade tanto quanto possível em cada momento que estamos aqui.

    Às vezes, isso pode parecer entediante, irritante, triste, alegre, …. Mas o nosso propósito não pode ser perseguido por nós ou quantificado pela medida de felicidade que sentimos ou não sentimos.

Como ouvir a sua intuição
  • Preste atenção ao que o seu corpo sente
    Da próxima vez que tiver que tomar uma decisão, observe como o seu corpo responde. Quando está a experimentar a intuição, o seu corpo terá sensações físicas únicas. Também pode sentir “calafrios” ou uma sensação de calor no centro do coração.

    Se algo é “um sim” para si, pode perceber se parece que o seu corpo quer inclinar-se para isso. Se algo é “um não”, observe essa sensação também. Pode ser útil lembrar como se sentiu durante um momento agradável em que sabia exatamente o que queria. Talvez tenha sido excitação ou um sentimento de calma confiança.

    Por outro lado, consegue lembrar-se de uma vez em que ignorou a sua intuição ou foi contra um pressentimento? Existem sensações físicas no corpo que experimentamos quando vamos contra a nossa intuição. Isso pode deixá-lo tenso, como se houvesse um peso sobre si, ou até mesmo congelado ou preso.

  • Conecte-se com a sua respiração
    Respirar profundamente algumas vezes para acalmar a mente antes de se concentrar na sua intuição pode ajudá-la a sentir-se mais calma e a abrandar os pensamentos nervosos. 

    Quando estamos stressados, tendemos a respirar de forma mais rápida e superficial, o que pode causar mais ansiedade e até mesmo imitar uma resposta de pânico no nosso sistema nervoso. Quando o oxigênio diminui na sua corrente sanguínea, isso pode criar uma resposta do sistema nervoso no seu corpo ou fazer com que sinta que está no modo de luta ou fuga.

    Em contrapartida, quando respira profundamente e conscientemente, isso tem um efeito instantâneo na capacidade do nosso corpo de relaxar e manter uma sensação de segurança. Quando respira fundo, o seu cérebro basicamente diz ao seu corpo que não há problema em relaxar. Ao tomar decisões num estado relaxado, é mais fácil sentir a intuição.

Como ouvir a sua intuição
  • Faça perguntas a si mesmo
    Desenvolver a autoconsciência e confiar na sua intuição anda de mãos dadas. Com uma melhor compreensão e aceitação de si mesmo, é mais provável que desenvolva autoconfiança e confie nas suas habilidades de tomada de decisão.

    Antes de tomar uma decisão, pergunte a si mesmo: Estou a ser fiel a mim mesmo? O que mais me preocupa? O que nesta situação é emocionante para mim? Existe uma maneira de me sentir mais fortalecido nesta situação? Observe a primeira coisa que vem à mente, pois é mais provável que seja do seu subconsciente e esteja conectada à sua intuição.

  • Observe sinais e sincronicidades
    Não existe aleatoriedade. Observe sincronicidades ou “coincidências” significativas que aparecem para validar a sua intuição. Pode notar uma sensação de déjà vu, sinais da natureza ou números e padrões que são significativos para si.

    Quanto mais prestar atenção aos sinais e sincronicidades, maior a probabilidade de os notar e receber. Deixe espaço para o universo comunicar consigo e, mais importante, observe como se sente quando percebe um desses sinais. Pode ter uma sensação reflexiva no seu corpo que valida a sua intuição. As sincronicidades são uma das formas pelas quais o Universo permite que saiba que está a trabalhar em cooperação consigo, quando para e percebe que os sinais aparecerão.

  • Pratique usar a sua intuição
    O seu sentido intuitivo é como um músculo que pode ser fortalecido com a prática e o exercício. Existem infinitas possibilidades quando se trata de praticar com a sua intuição. Eu recomendo começar com algo em que não esteja apegado ao resultado, porque há menos chance de a sua mente consciente ou emoções assumirem o controlo.

    Tente acalmar a mente e “sintonizar” a sua intuição para responder a perguntas simples todos os dias. No caminho para a caixa de correio, fique curioso sobre o conteúdo dela. Confie na sua intuição ao encontrar um lugar de estacionamento vago ou o caminho mais rápido para casa. Isso pode significar desconsiderar a lógica.

    Se vir um lugar de estacionamento vazio numa rua normalmente movimentada ou se achar que o caminho panorâmico para casa parece mais rápido, experimente! Pode surpreender-se com os resultados.

Como ouvir a sua intuição
  • Como ouvir a sua intuição ao tomar uma decisão importante
    É natural lutar para tomar decisões difíceis e, às vezes, podemos ser apanhados pela ideia de que podemos “escolher errado” e de alguma forma perder o nosso destino. 

    Isso simplesmente não é verdade. Não pode perder algo que é feito para si. Trazer a sua intuição para o processo de tomada de decisão pode ajudá-lo a fazer escolhas mais alinhadas com a sua alma, em vez de agradar às pessoas ou escolher por medo do fracasso.

    Ao enfrentar uma decisão, é importante exercitar a autocompaixão e lembrar-se de que pode sempre mudar de ideias. Quando confrontada com duas escolhas, simplesmente escolha uma aleatoriamente e tente perceber como se sente. Pode até lançar uma moeda e observar como o seu corpo e a sua intuição reagem ao resultado. Isso pode fornecer informações valiosas sobre o que realmente deseja.

    Se está a fazer uma escolha entre dois empregos ou relacionamentos em que há pessoas envolvidas, pode ser útil praticar uma visualização. Feche os olhos e imagine que a pessoa ou pessoas em questão estão sentadas ao seu lado e a partilhar espaço e energia consigo. Observe como se sente com isso. Provavelmente saberá imediatamente se essa é uma experiência que gostaria de ter.

    Ao ouvir a sua intuição ao tomar decisões, é mais provável que faça escolhas que permitam que a sua mente, corpo e espírito estejam em harmonia.

Em resumo

Ouvir a sua intuição é conectar-se com seu eu interior, desconsiderando o ruído dos pensamentos ansiosos e sociais, e agir de acordo com o que realmente deseja.

Quando ouve a sua intuição, há menos dúvidas e inseguranças nas suas escolhas. A intuição vem de um lugar separado do ego, trazendo confiança e segurança nas decisões.

Conheça sua energia, compreenda como seu corpo responde emocionalmente, estabeleça limites saudáveis, avalie o impacto dos relacionamentos e situações na sua vida e alinhe-se com sua verdade interior.

Exercite a autocompaixão, pratique visualizações, e esteja aberto para mudar de ideias. Ao ouvir sua intuição, fará escolhas que harmonizam mente, corpo e espírito.

Conteúdos relacionados
O que acontece depois da morte?
O que acontece depois da morte?

Descubra o que acontece depois da morte: um mistério que tem intrigado a humanidade ao longo dos tempos. Explore diferentes perspetivas e teorias sobre o pós-vida.

error: Content is protected !!